Navegação Aliança lança nova embarcação dia 18


Perspectiva é de que o navio, construído pela Intecnial, em Triunfo, comece as operações de transporte a partir de outubro deste ano.

mallmann

Está marcado para o dia 18 de setembro o lançamento de mais um navio da Navegação Aliança: o João Mallmann (homenagem a um dos fundadores da Trevisa, controladora da empresa). O evento acontecerá no estaleiro da Intecnial, localizado no município de Triunfo.

O diretor da Navegação Aliança Ático Scherer explica que o lançamento consiste em “largar dentro da água” a embarcação. Após essa ação, serão feitos testes e alguns acabamentos. A perspectiva é de que o navio comece as operações de transporte a partir de outubro.

O João Mallmann terá 101 metros de comprimento, com uma “boca” de 15,5 metros e capacidade para 4,7 mil toneladas, podendo atingir uma velocidade de até 8 nós (cada nó equivale a 1,852 quilômetros por hora). O investimento no empreendimento foi de R$ 22,6 milhões. Scherer detalha que a embarcação terá como foco o transporte de celulose (produzida pela planta da CMPC Celulose Riograndense na cidade de Guaíba) e granéis sólidos.

O empresário adianta que a Navegação Aliança já está negociando com a CMPC o contrato para movimentação dessa carga. O grupo chileno está ampliando sua unidade no Rio Grande do Sul, o que deverá ser concluído em maio de 2015. Quando finalizada a expansão, a fábrica agregará mais cerca de 1,3 milhão de toneladas de celulose a sua capacidade anual, alcançando o patamar de 1,8 milhão de toneladas.

Scherer revela que, confirmando a assinatura do acordo, a Navegação Aliança inicia a construção da embarcação Juan Rassmuss (nome que será dado em honra a um acionista da Trevisa). O navio será idêntico ao João Mallmann e deve custar aproximadamente R$ 25 milhões. A perspectiva é que sejam necessários cerca de 16 meses no desenvolvimento da embarcação, que será feito também pela Intecnial e, provavelmente, em Triunfo. Os dois graneleiros atuarão, exclusivamente, na navegação interior gaúcha.

Fonte: Jornal do Comércio 02/09/2014  http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=171715